Segunda-feira
18 de Dezembro de 2017 - 
Advogado registrado na OAB/BA sob N° 30.452
Atuando em Direito do Trabalho
Direito do profissional de saúde
Direito do consumidor

Informativos úteis

Cadastre seu e-mail para receber dicas úteis para seu dia-a-dia. Conforme legislação, não realizamos consultas por e-mail. As dicas tem conteúdo geral, aplicáveis a quaisquer cidadãos.

Previsão do tempo

Hoje - Jequié, BA

Máx
31ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - Jequié, ...

Máx
31ºC
Min
18ºC
Possibilidade de Chu

Quarta-feira - Jequié, ...

Máx
30ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Vitória da Conqu...

Máx
27ºC
Min
17ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - Vitória ...

Máx
27ºC
Min
15ºC
Possibilidade de Chu

Quarta-feira - Vitória ...

Máx
30ºC
Min
16ºC
Poss. de Pancadas de

Endereços

Escritório Vitória da conquista

Otávio Santos , 207 , Empresarial Maria Helena, 20 Andar, Salas 204/2016
Recreio
CEP: 45020-750
Vitória da Conquista / BA

Escritório Jequié

Rua Bertino Passos , 08 , Edificio Viana - 1o andar
Centro
CEP: 45200-020
Jequié / BA
+55 (73) 3525-0401

Notícias


PLANO DE SAÚDE É CONDENADO A CUSTEAR TRATAMENTO OFTALMOLÓGICO DE IDOSA - 18/11/2013

O Juiz de Direito 19ª Vara Cível de Brasília condenou a Geap Fundação de Seguridade Social a autorizar e custear tratamento médico de idosa portadora de doença oftalmológica  e ao pagamento de indenização, a título de danos morais, no valor de R$ 5 mil.
 
De acordo com a idosa, ela tem contrato de plano de saúde com a Geap há mais de 10 anos e que, agora, o plano lhe negou autorização para tratamento de edema macular cistóideo, sob argumento de que não está no rol obrigatório da Agência Nacional de Saúde Suplementar- ANS. Segundo a Geap, o tratamento indicado não encontra previsão na cobertura obrigatória da ANS, pois é considerado de natureza experimental. Alegou a inobservância do art. 422 do Código Civil, por parte da demandante, que diz que os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão do contrato, como em sua execução, os princípios de probidade e boa-fé. E rebateu o pedido de condenação em danos morais, concluindo pela total improcedência da demanda.
 
De acordo com a decisão, havendo indicação médica quanto à essencialidade do tratamento, não se pode limitar a obrigação contratual às resoluções da ANS. Atente-se, ainda, para o fato de que a exclusão da cobertura imposta pela ré ofende a regra do Estatuto Protetivo, que presume exagerada a vantagem do fornecedor que restringe direitos ou obrigações fundamentais inerentes à natureza do contrato, de tal modo a ameaçar seu objeto ou o equilíbrio contratual.
 
Portanto, sendo injustificada a negativa da prestadora de serviço, merece acolhida o pedido deduzido na peça. Por derradeiro, o dano de ordem moral também restou caracterizado, na medida em que a recorrente negativa à cobertura do tratamento agravou o contexto de aflição psicológica e de angústia vivida pela segurada, consumidora hipervulnerável em razão da idade, além de prolongar o próprio sofrimento físico da paciente.
 
Autor: TJDFT - VS — publicado em 18/11/2013 16:55
© 2017 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  63598
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.